5 formas de me ofender com sucesso

escrito por Rosa


Esses dias, contestei uma postagem que achei machista, de uma pessoa que gosto/admiro. Recebi, como comentário do meu comentário, assim: “que chata”. Não sei se a pessoa tentou me ofender, mas ela não conseguiu. Aí, eu que sou generosa, fiquei me perguntando se eu não podia fazer algo por essa pessoa que queria tanto me machucar. Daí resolvi elaborar essa lista de 5 formas bem sucedidas de me ofender:
1. Não me chame de gorda, diga que eu nunca terminei de ler “Os Sertões”.
É recorrente que as pessoas, quando querem me ofender, me chamem de gorda. Fico me perguntando, mas peraí: eu escrevo para o Maggníficas, JUSTAMENTE um blog que fala sobre ser gorda. Eu uso gorda como modo de me definir, eu peso mais de 90 quilos, eu uso manequim 46/48, OU SEJA, sou gorda. Como também sou branca, como também tenho pés grandes: são várias características físicas. Como é que a pessoa acha que me chamando de gorda ela poderia estar me ofendendo?

Resultado de imagem para gif adele
migo, não está ofendendo
Em contrapartida, eu me sinto a professora de literatura mais fajuta quando falo da treta jornalismo X literatura sendo que NUNCA, nunquinha, nenhuma vezinha, eu terminei de ler o clássico do Euclides da Cunha. Aí, é meu ponto fraco.
2. Não me chame de feminista, diga que eu não sei – nem nunca saberei – falar alemão.
Na mesma lógica da “gorda”, tentam me ofender me chamando de uma bandeira que eu carrego comigo, a do feminismo. Não entendo como eu posso ter escrito um LIVRO sobre o assunto e alguém achar que isso me ofende de alguma forma. Ah é, tem a vertente vaca feminista. Meu deus, vacas são tão fofas, por que eu me ofenderia?
  
Resultado de imagem para gif feministaisso é exatamente no que acredito
por você, eu dançaria tango no teto
x
 Que me ofender? Não diga que eu sou feminista, porque isso eu sou mesmo, diga assim: você já tentou, mas é incapaz de aprender alemão. Sou mesmo, que língua difícil, meu deus!
 3. Não me chame de chata, diga que eu erro sempre o ponto dos doces
Vamos lá, primeiro. Uma definição sobre “chato(a)”:
adjetivo substantivo masculino
fig. que ou o que é maçante, enfadonho ou insistente; que ou o que aborrece, perturba ou preocupa.
Maçante, enfadonho, para uma pessoa que fala bosta, eu quero ser. Insistente, perturbadora e preocupante para alguém que acredita o oposto do que eu acredito: É MEU MAIOR OBJETIVO.
Eu amo ser chata. Eu tento aperfeiçoar todos os dias minha chatice, sabe?
Resultado de imagem para gif feminista
Hermione me representa
Agora se tem um negócio foda é ponto de doce. Cozinho qualquer salgado, mas doce: desanda, fica mole ou duro demais, fica com ou sem açúcar. UM SACO. Nunca haverá um doce meu que as pessoas vão comer e dizer: arrasou!
4. Não me chame de “sapatão”,  diga que eu já tive crush no Maurício Mattar 
 Eu não sei em que mundo a orientação sexual de alguém é ofensiva. Mentira, sei sim,  no mesmo em que Bolsonaro é bem aceito: um mundo burro, violento, lesbofóbico, escroto. A orientação sexual nunca deve envergonhar alguém. “AH, MAS EU NEM SOU GAY/LÉSBICA”, mas mesmo assim: se te ofende que imaginem que você seja, é porque talvez o lgbtfóbico seja vocezinho.
Resultado de imagem para ruby rose gif
O gênero de quem nos apaixonamos é irrelevante para o nosso caráter, já ter crush no Maurício Mattar
Resultado de imagem para mauricio mattar g
RUN, FORREST, RUN
5. Não me chame de grossa, diga que eu tenho lua em câncer
 É bem comum as pessoas – GERALMENTE HOMENS – dizendo que eu sou grossa, ‘bossy’, mandona. Acho curioso que eu digo exatamente a mesma coisa que eles, mas quando eu digo, de repente, fico GROSSA.
Fico pensando que se grosseria é imposição de ideia, não submissão, não me rebaixar às coisas que supostamente eu fui treinada a me submeter, pois bem: QUE BOM QUE EU SOU GROSSA!
Resultado de imagem para gif feminista
Aliás, certeza que eu tava falando com você?
 Agora, algo que é foda nessa minha personalidade é a lua em câncer: porrã, como eu choro à toa. É vendo bebê cantando, é lendo poema, com homenagem de aluno. Sabe, era pra eu ser uma taurina com ascendente em escorpião toda poderosa e vem ESSA PORRA DE LUA EM CÂNCER E FODE TUDO.
ASSIM NÃO DÁ.
Resultado de imagem para gif feminista
Aqui, bebê, dei todas as dicas de como me ofender com jeitinho, acrescente aí que: eu canto mal, não tenho ritmo, não consigo gostar de whisky e não decorei a ordem do sonho intenso/amor eterno no hino nacional, e pronto: já pode me xingar.
Beijas.

texto originalmente publicado em Marcella Rosa


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com