Cria expectativa, sim.

escrito por Rosa


Eu sou fã de criar expectativas e fico incomodada quando percebo que tem alguém me travando nelas, porque elas fazem parte, inclusive, do que tem de mais meu em mim; criar histórias.
É claro que nessas de criar histórias eu também me frusto e acabo fazendo parecer bem pior do que seria se eu não tivesse sonhado.



As pessoas não querem que a gente crie expectativas sobre elas porque isso diminui o que elas entendem por responsabilidade afetiva, a lógica simples e inteligente é: se você espera pouco de mim, eu não preciso fazer muito. E se eu fizer, surpreenderei. Eu acho chato isso daí: prefiro decepcionar do que estar com pessoas que esperam pouco de mim. Coisas da vida.

O que andei constatando a partir de conversas muito interessantes é que existe a expectativa e existe o desejo. Em certa medida, a primeira pode ser embasada na recorrência de um número de fatos que nos levam a crer que a pessoa poderia agir da maneira x. Esse tipo de coisa me parece saudável.
E existe o desejo.
O desejo está calcado em tudo que a gente quer que aconteça INDEPENDENTEMENTE de isso ter alguma base que te faça, ao menos, ter elementos para sonhar com isso.

Exemplo: ter um amigo que NUNCA valoriza seu trabalho, NUNCA diz que seu rolê é massa, NUNCA agradece sua ajuda, e esperar que, magicamente, porque VOCÊ escreveu pra ele dizendo coisas incríveis, ele vá ser a pessoa mais incrível do mundo.

Isso é criar um desejo, infundado. Uma esperança vã. Que gera, inclusive, raiva na gente mesma por ter sido trouxa.



Mas tem aquela pessoa sensível, doce, incrível. Ela consegue sempre surpreender você com a capacidade dela de leitura de mundo. Parece que finalmente você encontrou alguém que está de fato disposta a ler e ouvir, escrever e falar. Você mobiliza sua energia para dizer a ela tudo isso e ela não reage com o carinho que você espera. Ela foi (ou é) mais fria do que o arsenal de coisas que você andou recebendo dela mesma. Isso não é criar um desejo infundado. Isso é uma expectativa, porque ESPERA algo palpável.

A pessoa não tem culpa, não é uma discussão sobre culpa, não. É só uma questão de entender e SE PERDOAR se você foi levada pelos seus próprios sonhos.



Acho saudável e honesto que as pessoas que não conseguem lidar com isso não criem expectativas. Eu, que sofro pelo sopro de um vento, pelo tempo da pizza chegar, no intervalo de um café, me dou o direito de criar muita expectativa - sobre quem me parece merecer. Se eu criar expectativas sobre alguém, é porque essa pessoa merece a poesia que eu deposito nela, nem que seja em alguma medida.
Aliás, no dia que eu paro de criar expectativas sobre alguém, acabou o lirismo que me prendia a ela.

Enfim.
Eu sou constituída por duas vidas: uma que acontece e a outra que eu projeto. SINTO PRAZER nessa projeção. Eu vivo de histórias, gente, não posso ser de outra coisa. Conheça quem você é nesse mar.
Por sei quem sou, eu racionalmente optei viver uma vida sem desejos infundados, mas repleta de expectativas - que ora ou outra vão, sim, se frustar.

Porque, pra mim, esperar e planejar a viagem pode ser melhor que embarcar, às vezes.



2 comentários:

  1. Rosa, eu sou um pouco como você. Crio expectativas de ações, de pessoas demais!

    http://buscadomeupadrao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu acho normal criar expectativas e precisamos fazer isso. Do contrário, vamos aceitando qualquer coisa que nos oferecem.. Eu não aceito menos do q eu quero e sei como é bom pra mim. Se oq estou recebendo não corresponde minhas expectativas, next!

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com