A razão de tudo

escrito por Rosa


"Só usa a razão quem nela incorpora suas paixões" Raduan Nassar

A gente faz tantas coisas ao mesmo tempo, a gente se esforça tanto por tantas coisas que entra num looping eterno: acorda cedo, toma banho e café, segue a vida dentro do carro, ouvindo uma música que já tinha sido a nossa favorita, volta para casa, toma mais um banho para que água leve embora o que o dia impregnou na gente e dorme o cansaço de quem sobreviveu mais um dia.

A vida é boa, acontece que, às vezes, a gente não nota.


Em outras, porém, a vida surpreende e é inapreensível, isto é, alguma coisa pequena muda a lógica do nosso dia. E a gente percebe que a coisa não muda o dia, não. Na verdade, ela só muda o jeito da gente olhar.

Ela puxa o nosso queixo pra cima e redireciona o olho, apontando um outro canto. É como se jogasse uma nova luz onde tá escuro, ou escurecesse um pouco aquela luz toda que ofusca e não deixa a gente enxergar direito.



É que a gente anda tão entorpecido que se esquece que aquela era nossa música favorita.
Nosso melhor poema.
A razão de montar aquela aula.
O sonho realizado.

A gente se entorpece pra viver.
Mas é importante lembrar que, às vezes, a vida não precisa de entorpecentes. Eu, que amo café e vinho, às vezes preciso aprender a não acelerar nem acalmar tanto, a me deixar na justa medida da minha razão. Ficar esperando uma paixão louca para amar é se esquecer que a paixão está em exatamente tudo...

Volta a música.
Rele o poema.
Reestrutura sua aula.
Realiza o seu sonho.

Volto pra dentro de mim mesma e recupera o caminho para chegar aqui: tudo isso para conseguir me lembrar, sem esforço, do porquê faço as coisas.

Não faz sentido comer por comer, pra mim. E eu sempre reclamei de quem comia só para se alimentar.

Mas também...

Não deveria fazer sentido acordar, tomar banho, trabalhar, escrever, se não for com um intuito claramente definido.
O motivo sempre está aí, sendo esfregado na nossa cara.
Pode ser o bom dia do porteiro.
Pode ser o sorriso dos meus alunos.
Pode ser uma música que chega despretensiosa pela rádio.
Pode ser uma mensagem certa.



E quando parecer que nada mais me comove a não ser a razão de fazer as coisas, que eu me lembre que na razão mais objetiva de mim mesma, faz morada uma paixão inalienável: a de estar deliciosamente viva.


Os quadros são de Toulouse-Lautrec.


2 comentários:

  1. Olá!!!

    Sou leitura assídua do blog, mas nunca comentei. Hoje, porém, Marcella foi mais sensacional que nos nos demais posts.É isso, nos deixamos levar pela vida, muitas vezes sem perceber nos pequenos detalhes que fazem toda a diferença. A luz, as cores, a beleza que insiste em nos mostrar o quanto a vida deve ser vividana sua plenitude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Katia, que coisa mais boa de receber <3
      Obrigada por dividir esse carinho e por sentir daí o que sinto daqui. Partilhadas, as reflexões tem novo sentido. Um beijo.

      Excluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com