O incrível clã dos cuidadores

escrito por Rosa


Depois de terapia e autoconhecimento, eu entendi que eu tenho um perfil de 'cuidadora'. Eu gosto de cuidar das pessoas. Não à toa, sou professora. Menines, num posso ver um problema e já quero resolver. "Vem cá ca tia" é minha frase padrão. Eu quero alimentar, cuidar do coração, fazer chá quentinho, resolver os problemas econômicos, ensinar a juntar dinheiro, fazer agenda, não atrasar os estudos, pagar as contas. Nossa, e problemas de autoestima? Longas discussões que me levam a refletir um milhão de coisas.

Adoro cuidar.

É isso mesmo. Dou aula, dou coaching, dou conselho, dou amor. Gosto, vivo disso, divido minhas dores em cada cuidado: cuido do outro e nessa vou cuidando de mim mesma.

Tudo nessa vida, porém, tem uma consequência nefasta.

A dessa história é: 

quem cuida do cuidador?

Por mais que a gente que goste, a gente cansa. É uma troca de energia muito forte e que, geralmente, é unilateral. Não porque a pessoa é ruim, mas porque quem precisa de cuidados, no momento de fragilidade, não pode te dar de volta toda a energia gasta ali.
É parte da vida.
O ciclo energético se renova quando a pessoa, uma vez fortalecida, cuida de você de volta.

Mas tem gente que nasce nessa vida para ser cuidado sempre. Não é no momento de fragilidade, não. É sempre. É a pessoa que despende da nossa energia o tempo todo. Do cuidado, da atenção, de uma espécie de devoção.

E o cuidador por excelência cai que nem um patinho do colo dessas pessoas. Ao contrário, dá o seu colo livremente e se doa e se doa e se doa.

Mas o tempo passa e cobra seu justo preço: a exaustão. Um cuidador cansado já não consegue mais amar, nem olhar, nem ouvir. Fica no estado de inércia da exaustão, procurando um lugar para se apoiar. Lugar que ele, por ser quem é, nunca construiu.

Como cuidadora consciente, tenho me esforçado para não me apegar aos problemas. A não me apaixonar por quem precisa de mim. A não resolver as questões existenciais do mundo, porque o outro sempre será o outro. 

E justamente porque eu cuido, eu preciso estar bem aqui dentro pra continuar.




Nenhum comentário:

Postar um comentário


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com