A dor e a delícia de dizer não..

escrito por Rosa


Esse texto é uma confissão difícil, que está saindo de mim como quem rasga a alma. É sobre autoconfiança e autoconhecimento, é sobre aprendizado diário. Eu tô numa fase que eu precisei me confrontar com uma característica minha que é complicada - vou chamar de característica porque não sei até que ponto é virtude ou defeito - mas algumas pessoas fundamentais andaram me apontando isso e, enfim, eu funciono escrevendo e achei bom dividir com vocês.

Eu tenho uma extrema dificuldade de dizer não. Eu quase nunca digo. Eu sempre dou um jeitinho de fazer o que me pedem, seja um aluno, seja meu namorado, meus pais, amigas ou amigos. Eu sempre faço o que me solicitam e se eu não consigo de jeito nenhum, mesmo se eu me virasse em vinte, eu sinto muita culpa e me sinto muito mal.



Consequências de ser assim: eu ando sempre esgotada, e, não raro, faço coisas pela metade, porque quero fazer pra todo mundo. Sou muitas o tempo todo e, às vezes, acabo não sendo ninguém. Quero ajudar como professora, como amiga, como filha, como namorada e o resultado sou eu estudando no meio de uma conversa, sou eu respondendo email enquanto assisto filme, eu tirando dúvidas quando vou visitar minha mãe... e por aí vai. Além disso, quase nunca tenho tempo pra mim. O que eu queria fazer agora enquanto estou fazendo algo por OUTRA pessoa? Chego a nem saber a resposta, tamanha quantidade de vezes que eu faço porque alguém quer, não eu, exatamente. Além disso, quero e me sinto responsável por saber se as pessoas estão bem, como está o cenário político, o último seriado que saiu, atender as expectativas dos superiores. Ufa, tá complicado.

Exausta. Ocupada. Pela metade. Sempre correndo e tentando dar conta.



Assim, aos poucos, vou querendo ficar cada vez mais isolada, para que as coisas não cheguem até mim. Mas elas vão chegar e eu preciso aprender que existe uma coisa fundamental: o meu limite, e eu tô em cima dele faz um tempo.

Sei lá o que psicanaliticamente me criou essa barreira de negar as coisa aos outros. Talvez medo de não ser querida? Medo de falhar? Excesso de cuidado? Eu não tenho exatamente a resposta. Só quero dizer que há alguns dias eu estou me policiando, treinando, me esforçando. As pessoas não vão deixar de me amar ou de me compreender se eu disser não...Aliás, se elas não deixaram de me amar mesmo eu sendo essa pessoa sempre pela metade, então, eu sei que elas estão aqui.



Eu vou finalizar pedindo desculpas porque eu não tô dando conta, e porque, cada vez menos, vou conseguir dar. Em contrapartida, aviso: vou me esforçar para estar mais inteira onde eu estiver.
Tomara que dê certo.

Ilustrei com quadros da Remedios Varo que me falam muito sobre autoconhecimento


Um comentário:

  1. Me identifiquei e muito com tudo que foi colocado, eu sempre quero ajudar os outros e fazer tudo, e acabo me esgotando, me frustando e fazendo tudo pelos outros e não por mim. Também tenho que aprender a dizer uns nãos. Beijo

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com