Meus 35 anos...

escrito por Carol Caran




Hoje é meu aniversário! Quando eu era mais jovem (e infinitamente mais tola), toda vez que eu lia alguma matéria em revista de fofoca sobre alguma celebridade chegando perto dos 40 anos e as via afirmando que se sentiam melhores e mais bonitas, eu não acreditava. Lá, mais perto da adolescência, eu achava que mulheres perto dos 40 eram velhas, maternais, elegantes, até bem sucedidas, mas não as via como exemplo de beleza e sensualidade, por exemplo. Ou achava que elas sofriam com a "decadência" do corpo e a proximidade da velhice. Que dozinha eu sinto da arrogância da juventude!  

Aos 15
Hoje eu faço 35 anos e afirmo, sem nenhuma hesitação que estou na plenitude da minha vida! Não sei como se sentem outras mulheres, mas eu não me trocaria por duas eu de 17 anos jamais! Então, eu resolvi listar alguns dos motivos pelos quais eu me sinto tão bem e tão feliz pra, quem sabe, inspirar outras mulheres, mais jovens ou mais velhas, a se sentirem da mesma forma:

1) Eu fiz as pazes comigo mesma: até os 30 anos mais ou menos eu tinha uma ideia de como eu deveria ser, estar, fazer e constantemente eu me desapontava. Eu era dura, crítica e cruel comigo mesma. Não perdoava meus defeitos, mas também não conseguia mudá-los. Vivia num looping eterno de auto-rejeição e culpa. Quando eu aceitei que eu sou uma boa pessoa, que comete erros, mas também muito mais acertos, que tenho uma chance nova a cada dia de fazer melhor, eu parei de me apegar aos fracassos e passei a celebrar minhas conquistas. Eu passei a me tratar com o mesmo carinho que dispenso às minhas melhores amigas. Não significa que eu não enxergue as falhas, mas não me diminuo aos meus olhos em razão delas. 

Aos 18
2) Eu descobri que meu corpo é um instrumento e não um ornamento: da mesma forma, eu tinha uma ideia irreal e inatingível de como meu corpo deveria ser. Então eu passava os meus dias sofrendo por não ter a cintura de fulana, o peito da outra ou o cabelo de não sei quem. Com a maturidade passei a mudar meus paradigmas de beleza, o que me fez reconhecer em mim mesma elementos que eu achava belo em outras mulheres. E mais tarde, depois da maternidade, eu descobri as maravilhas que meu corpo é capaz de fazer. Eu sou forte pra cuidar da minha família, acalentar e educar meu filho, amar meu marido, amigos e familiares, passar por mudanças drásticas de uma gestação e duas cirurgias. Eu não vou todos os dias a uma academia, mas eu leio livros de mais de mil páginas, eu faço belos desenhos, belas maquiagens, bons textos, boa comida. Eu tenho uma bela voz, sou observadora, boa de resolver problemas. Eu sou conciliadora, consigo acalmar e unir pessoas. Eu danço bem, sou boa de prosa. Meu corpo é um instrumento maravilhoso capaz de criar, amar, alimentar, cuidar, produzir e eu fico reduzindo o pobre ao combo "bunda dura, cintura fina, peito empinado"? Não mais!

Aos 25
3) Eu eduquei minha emoções: eu sempre cedia aos meus sentimentos intensos. Raiva, mágoa, impulsividade, tristeza... Hoje eu aceito que eles acontecem, mas tento não tomar nenhuma atitude quando estou sob suas influências. Isso me permite analisar as coisas como realmente são, sem o prisma da emoção que confunde, e depois me decidir. Evita arrependimentos e preserva amizades. Mesmo. 

4) Eu aceitei que as pessoas tem direito de pensar o que quiserem...: mesmo que seja injusto, mesmo que seja cruel, eu não tenho o direito de achar que devo controlar o que elas pensam sobre mim ou qualquer outra situação. Ainda que eu me magoe, isso me dá paz. 

5) ...mas eu posso controlar como eu escolho reagir: eu posso decidir como lidar com as pessoas, o quanto vou deixá-las entrar e/ou permanecer na minha vida, ou quanta explicação eu pretendo dar a elas. Na maioria das vezes, a decisão é nossa de aceitar ou não o que nos é oferecido. 

Aos 30
6) Eu descobri o que me faz bonita: seja escolhendo a melhor maquiagem ou o formato da sobrancelha, ou optando por esta ou aquela roupa, eu não me submeto mais a modismos e tendências que não me favorecem. Hoje eu tenho muita consciência do meu estilo, da minha necessidade de conforto e sei exatamente o que gosto e o que não gosto. E mesmo que as pessoas não concordem, eu me me sinto muito mais bela e autêntica do que antigamente!

Com (quase) 35

Esse post, que acabou virando uma mistura de auto-ajuda com auto-celebração (sem problemas, é meu dia!), é só pra contar que não importa quão cansada ou velha você se sinta, sempre é tempo de redescobrir a si mesma e reprogramar suas metas. Eu faço 35 anos cheia de sonhos e alegrias, de dores e histórias a serem superadas, de obstáculos a serem vencidos, mas com a certeza de que eu estou, se não vivendo, mas pelo menos dando meu melhor para viver, de acordo com a minha missão e minha consciência. Um feliz aniversário para mim! E uma vida e amor e felicidade pra todos vocês!










  


2 comentários:

  1. Parabéns!!! eu tenho 35 anos, faço 36 em novembro,e gosto muito mais de mim hoje,do que quando tinha 18 anos!!! e tu ta é linda!! que Jesus te abençoe. bjus

    ResponderExcluir
  2. Nossa, lindo post! Parabéns atrasado!! =D

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com