Pós Cirurgia: Segundo mês

escrito por Carol Caran


Oi gente!

Como eu estou atrasadaaaaaaaaaa pra contar sobre o segundo mês da cirurgia (considerando que tô quase no quarto!).  

Na minha opinião, foi de longe o mais desafiador. É que embora o cardápio ainda seja bem restrito, você está completamente despreparada para a quantidade de comida que pode comer. 

Basicamente, você come as mesmas coisas que comia no primeiro mês, mas dessa vez em estado sólido. Além disso, os líquidos permitidos saem de cena e você pode beber apenas água. E nem adianta tentar insistir. A sensação de entalamento é horrível, especialmente em mim que não vomito. Nunca. Simplesmente não consigo colocar nada pra fora. 

Pra que costuma comer rápido, como eu, dói. Pra quem come sem perceber, dói. Pra quem não se programa pra comer, dói. Então, essa fase FORÇA você a adotar aquelas medidas que deveria adotar sem a cirurgia: optar por alimentos saudáveis e não processados, comer lenta e cuidadosamente e sempre ter à mão lanchinhos pra comer pouco, mas com frequência.

O que caiu bem: 

Frutas! Frutas se tornaram minha obsessão desde a cirurgia. São a única fonte de açúcar permitida e eu acordava e dormia planejando comer minhas frutinhas. Uva, morango, maça, abacaxi, manga, kiwi, banana... Todas elas caiam super bem, não doíam meus estômago e nem bagunçavam meu intestino. Amor eterno, amor verdeiro!

O que caiu mal: 

Laticínios. Antes da cirurgia eu já andavam apresentando uma certa intolerância a leite e seu derivados. Depois, a coisa complicou. Um dos lanches que a nutro receitou, Polenguinho Light, se revelou insuportável. E bastava comer qualquer coisa que tivesse leite, pra eu morrer de cólica, dor de estômago e ficar com a barriga super inchada. 

O complicado é que eu sempre baseei muito da minha dieta em laticínios. Amo queijo, amo leite, amo iogurte... Quando falei com o médico ele me disse para insistir, pois a perda do cálcio era um dos fatores cruéis da cirurgia. 

Outra coisa que não rolou muito nessa fase foi o peixe. Todas as vezes que comia peixe, eu passava bem mal depois. Então preferi a carne vermelha e o ovo como proteína, que deve ser consumido sempre antes dos outros alimentos pra não correr risco de ficar entalado. 

A pior parte:

A sede. Eu era do tipo que bebia uns 5 litros de água por dia, em copos imensos de 700 ml ou mais, de uma vez. Minha sede não passava enquanto minha barriga não estivesse estufada. Quando eu trabalhava em escritório ou cartório, eu passava o dia bebericando da garrafinha ou do copo que sempre ficava do lado do meu computador. 

Depois da cirurgia eu sentia muita sede. A quantidade de água que eu podia beber era muito pequena, então o certo seria beber toda hora de pequenos goles. Volta e meia eu esquecia a garrafinha. Volta e meia eu saia pro trabalho sem água e terminava o expediente pálida e com a boca até rachada de desidratação. Outro hábito a ser mudado. 

Meu deslize:

Eu não comi nada que tenha açúcar, seja doce, pão, iogurte, bala, chiclete, etc, nada de fritura, carne gorda, álcool, refrigerante (ou qualquer bebida gasosa). Mas não resisti ao café. Assim que pude, voltei a tomar pelo menos uma xícara de manhã. Não dá pra viver sem ele! Por outro lado, percebi o quanto tenho que tomar cuidado. Um dia, morrendo de sono, tomei a segunda xícara de espresso e o resultado: taquicardia, respiração acelerada, ansiedade, enfim, aqueles sintomas de excesso de cafeína com MUITO menos do que eu estava acostumada. 

Outra coisa diferente do que a nutri recomendou que eu fiz foi comer fibras. Ela se preocupava com possíveis diarréias, mas meu instestino já estava com a preguiça de sempre então o médico liberou.

Atividade Física:

Liberaram só caminhada, meia hora a quarenta minutos todo dia. Acho que consegui fazer umas três vezes por semana só. Shame on me! 

Em resumo, senti um pouco de dor e sensação de "entalamento", mas só quando comia rápido demais ou em maior quantidade do que deveria. Não tive vômitos, náusea, diarréia, enjôos ou coisas assim. No fim do segundo mês, eu tinha eliminado 6,9 quilos, estava, portanto com 93,1 Kg, totalizando 17,9 quilos eliminados em dois meses.  

Essa foto foi tirada na terceira semana do segundo mês. Eu estava com um corpo e um peso bem parecido com o que tinha quando comecei o blog. Foi só depois disso que as pessoas mais distantes começaram a notar que eu estava emagrecendo. 


Então é isso, prometo ser mais rápida pra escrever sobre os próximos meses!

Dúvidas, questões e sugestões: contem aqui, no Instagram ou na Fan Page do Blog!
Se preferir, me mande um e-mail no maggnificas@gmail.com.

Beijos grandes!

Carol


Tá chegando agora? Conheça os posts anteriores.

Eu fiz bariátrica



Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com