Tire o preconceito da sua cabeça

escrito por Marina Sena


Ilustração da Negahamburguer
Mês passado, depois de quatro anos e uma tentativa frustrada, eu voltei pra academia. Não sou fã de musculação, mas decidi voltar porque quero, daqui um tempo, não tomar mais remédio para triglicérides, e também pra criar resistência (eu adoro fazer trilha, como vocês viram quando fui viajar pro Petar, e algumas requerem um pouco mais de energia, né?).

Bom, então, voltei pra academia.

Inconscientemente, antes de o dia chegar eu já estava me preparando psicologicamente para o possível desconforto que eu poderia sentir sendo considerada uma pessoa fora dos padrões pré-estabelecidos (ou gorda). No dia, escolhi minha roupa para que não chamasse nenhuma atenção pra mim, afinal, ser gorda já chama atenção o suficiente, e fui toda armada e preparada pra qualquer tipo de preconceito ou olhar torto. E pra minha surpresa, encontrei lá muita gente gorda, muita gente magra também, e nenhum preconceito (pelo menos que eu tenha visto ou sentido). Depois de uns dias, comecei a relaxar e me sentir mais segura. Os professores são legais, ninguém disse que tenho que emagrecer ou fazer alguma aula específica porque é a que mais emagrece e nenhum tipo de comentário, nada! Na verdade, fui questionada sobre meu objetivo pra montar o treino e só. Nenhuma piada.

Eu deveria ficar feliz, né? E estou! Mas fiquei chocada em perceber que o preconceito todo estava na minha cabeça! Em como sou preconceituosa comigo mesma! Cheguei lá extremamente tensa e preocupada em sofrer algum tipo de discriminação e isso não aconteceu... Às vezes temos tantos pensamentos ruins sobre nós mesmas que pode vir alguém e falar “a” que entendemos “b” somente por conta disso! Dessa nossa obsessão em achar que sempre estamos sendo julgadas! E tudo isso eu só percebi quando fiquei tranquila, comecei a me sentir mais confiante e com vontade de voltar no outro dia...

Sei que cada uma de nós tem uma história, que já passamos por muita coisa e que acabamos levando nossa bagagem junto com a gente pra todo lugar. Não estou dizendo que não sofremos preconceito e discriminação. Falamos aqui sempre sobre aceitação, autoestima e que a opinião do outro não deve nos incomodar nem nos afetar. Certo. Isso na prática é muito mais difícil, mas quero fazer uma sugestão e lançar o desafio para que nós possamos encarar as situações como se fossem únicas, encarando como devem ser: diferentes umas das outras. Encarar de coração aberto e cabeça erguida, encarar que somos pessoas como qualquer outra e sim, temos os mesmos direitos que todo mundo! Proponho uma mudança de pensamentos, que possamos nos valorizar de verdade e pensar com amor em nós mesmas...

Acho que vocês podem se surpreender assim como eu também me surpreendi.


Um comentário:

  1. Sabe que eu relutei e muito para entrar na academia e quando abriu uma na mesma calçada da minha casa fiz até piadinha "corpo saradão cultura 0" mas depois de problemas de saúde e recomendações medicas acabei me rendendo e oque vi??!! gente alto -astral, nem ai para o meu peso, nem ai para mim, gente..gente como a gente cheia de problemas, de metas, de motivações e para minha surpresa oque chamamos de "NERDS' estão lá aos montes, ri de mim e da minha limitação. achava que academia era para perfeitos e descobri que academia é para todos!!!!!! para os que querem emagrecer e choquada e mal passada para os que querem engordar!!!!!!!!!!!!!!!!!! eu sinceramente acreditava que academia era para aperfeiçoar a perfeição e descobri que a imperfeita era eu, não no peso/corpo e sim no cerébro!! BAIXO o preconceito com as academias......................

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com