Meu Casamento

escrito por Carol Caran


Quando eu fazia planos para o meu casamento (e por planos, entendam, castelos no ar), sempre pensava  numa simples, porém bela cerimônia, com todos os nossos (muitos!!) familiares e amigos, flores, música e, claro, um vestido de noiva! 

Mas a realidade sempre se sobrepunha e sempre dava aquela dor no coração de pensar em gastar tanto dinheiro pra fazer o tal casório, com tantas outras coisas como prioridade. E pra não falar que nossa rotina, minha e do meu então noivo, é sempre tão corrida e estressante que simplesmente não conseguíamos imaginar quando teríamos tempo pra ir atrás dos preparativos. Sim, somos do tipo que temos que agendar uma ida à farmácia ou ela nunca acontece.  

Quando eu fiquei grávida, já morávamos juntos há mais um ano e passamos a nos perguntar se estar ou não casados faria alguma diferença quando nosso filho nascesse. De fato, nos sentimos tão perfeitamente unidos que pra nós, nossa união espiritual aconteceu quando trocamos nossa primeira aliança de namoro dentro de um ônibus. 

Alguns meses se passaram até que eu percebi que o preço do "sonho" do casamento era alto demais pro meu gosto. "O homem da minha vida me ama e quer viver pra sempre comigo, nosso filho chega em alguns meses. Que diferença REAL vai fazer uma festa de casamento pra nós?". Justo eu, que antes de conhecer o Theus nunca tinha pensado nisso!

Nós marcamos, então, a primeira data disponível no cartório da nossa cidade que nos dava tempo de programar alguns dias de descanso pra uma sonhada lua de mel. Poxa, caiu no "dia do fim do mundo"! Mas as minhas superstições são todas do avesso. Tudo que dizem que dá azar, eu acho que me dá sorte. E pra mim, o dia 21/12/2012 era um dia de grande transformações. 

Do que eu não abri mão: de ter um buquê. Uma noiva não é uma noiva sem flores nas mãos. Escolhi girassóis que são nossas flores. E poxa, se vou ter um buquê, também quero tirar fotos. Corre atrás de achar um fotógrafo na última hora! 

O vestido foi um drama: manequim 48/50 antes de engravidar, com o barrigão de 6 meses foi praticamente impossível achar, com tão pouco tempo sobrando, algo bonito, elegante e que parecesse uma noiva. Ok, confesso que nessas hora eu fiquei um pouco desapontada (no fundo toda garota quer ser meio princesa nesse dia, né?). Todos esses preparativos e incidentes vão ser objeto de posts futuros!

O grande dia enfim chegou. Eu me arrumei como uma noiva, peguei o meu buquê e fui me unir pra sempre ao homem dos meus sonhos, às nove e meia da manhã de uma sexta-feira que podia ter sido apocalíptica, ao lado de algumas das pessoas que mais amamos. 


Não, nem todos que queríamos que estivessem lá puderam estar fisicamente ao nosso lado. Também não teve todo o glamour que eu gostaria que estivesse presente (vocês sabem, minha alma é de uma diva de cinema!) e meu vestido não era o de uma noiva tradicional. E, lógico, minha carinha e meus pés estavam inchados por causa da gravidez.

Mas como sempre dizemos aqui, toda noiva é linda. E acho que eu estava belíssima por ver nos olhos do meu eterno amor que ele me quer pra sempre assim, exatamente como eu sou, em todos os minutos dos nossos dias. Com ou sem cenário de sonhos. Com ou sem fantasia. Com ou sem magia. Mas muita, muita felicidade transbordante e toda beleza do mais poderoso sentimento do mundo!


2 comentários:

  1. Algumas festas de casamento são deslumbrantes, em castelos maravilhosos! E murcham como Chantilly...rs
    O amor de vocês é uma coisa linda demais, completamente autossuficiente!
    Sejam muito mais felizes!!!

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com