Assumindo seu lado MaGGnífico - Parte 2

escrito por Carol Caran


Há mais de um ano atrás eu fiz um post que era pra ser o primeiro de uma série, chamado "Assumindo seu lado MaGGnífico - Parte 1". Por falta de inspiração, tempo ou sei lá o que, consegui pensar em retomar somente agora. 

Naquela ocasião, levantamos a questão de fazer algo a respeito da vontade de querer emagrecer. Mas afinal de contas, quão real pode ser a meta do emagrecimento de uma pessoa realmente gorda?

Pra ser bem sincera, eu não conheço nenhum ex-gordo, a não ser a turma da bariátrica. Todos os gordões ou gordinhos que conheci ao longo da minha vida e que emagreceram a ponto de deixar de ser gordos não mantiveram o peso e acabaram engordando de novo, voltando ao peso anterior e muitas vezes engordando mais. 

Temos ainda a turma da sanfona. Conheço pessoas que variam do manequim 40 ao 50 a cada dois anos. Fazem regime de gente doida, emagrecem e depois chutam o balde e engordam tudo de novo. Até ficarem tristes novamente e iniciarem nova dieta num looping eterno. 

Dia desse eu estava lendo uma reportagem sobre a vida de mulheres que vivem em locais do Brasil afetados por enchentes ou pela seca extrema. Todas contavam sobre a dificuldade de conseguir comida e do quanto precisavam trabalhar em sua rotina pra conseguir manter a casa e criar os filhos. 

Além de ficar tocada com a situação delas eu fiquei surpresa ao constatar que as fotos que ilustravam a reportagem mostravam mulheres gordas, uma delas beeeem obesa. Como assim, se elas sofrem severas restrições alimentares e certamente não são sedentárias?  

Todas essas coisas, aliadas a minha experiência pessoal, me levam a crer que a obesidade, pelo menos em algumas pessoas, não está só relacionada à quantidade de comida que a pessoa ingere e/ou ao tanto de calorias que gasta. 

Isso significa que nenhum esforço para emagrecer será útil então vamos logo partir pra cirurgia bariátrica ou passar a vida comendo e sonhando com bíquinis de lacinho enquanto usamos maiô? 


Pois é, não. 

Todo sucesso na vida é relacionado à tal da auto-disciplina (eu já falei que odeio a expressão força de vontade, né?). Imagine que você decida prestar um concurso público. Para passar, você vai precisar sacrificar cada minuto de lazer disponível da sua vida até o dia em que for nomeada. Vai ter que vencer o sono, a preguiça, o mau humor, a vontade de ver novela, comprometendo muitas vezes a família, o namorado e os amigos. 

Isso é bom? Não tenho a menor ideia. Mas sei que se essa pessoa estudar dessa forma vai eventualmente atingir seu objetivo e ter seu salário dos sonhos além de todos os demais benefícios. 

O mesmo se dá com o emagrecimento. Tenho uma amiga que tem um corpo fantástico. Ela trabalha tanto ou mais do que eu, não tem empregada, cuida da casa, do marido, dos pais e dos bichos. Faz as próprias unhas (acho isso impossível, sério) e está sempre linda. 

Qual a diferença dela pra mim? Certamente a genética. Mas além disso, enquanto eu como meu pãozinho com manteiga de manhã, ela come uma fruta e um polenguinho. E quando eu saía de quarta-feira pra fazer happy hour pra liberar a tensão, ela ia malhar por três horas e saía da academia sem stress. 

Talvez, se eu seguir a rotina dela, eu não chegue à barriga de tanquinho que ela tem. Mas eu não tenho a menor dúvida que mais cedo ou mais tarde ia acabar com o corpo mais bonito, com mais disposição e, quem sabe, com uns dois manequins a menos que já fazem uma ENORME diferença na auto estima. 

Tudo isso pra dizer que. embora eu não acredite que uma pessoa obesa consiga virar uma modelo da Victoria´s Secrets e que sei, sinceramente o quão difícil é emagrecer, acho que existe a possibilidade de verdadeira de que tal coisa aconteça desde que você estabeleça metas reais e entenda que pra você, o esforço vai ter que ser maior. 

Talvez você não consiga ser uma Gisele. Mas uma Tara Lynn viria bem a calhar, não? 

Eu ainda estou mil anos de tal equilíbrio e esses posts são uma reflexão mais do que uma proposta de solução. Então, se você tem uma história pra contar ou deseja compartilhar o seu problema ou sua solução conosco, nos escreva: maggnificas@gmail.com

(Essa série abordar questões que são comuns a mulheres e homens que sofrem com a obesidade. Tudo isso pra no final, contribuir um pouco para que vocês, leitores, encontrem a paz enorme que é aceitar a si mesmo sem reservas e acabe assumindo seu lado MaGGnífico.)


Um comentário:

  1. Parabéns!!! O post está ótimo!!! Vou aguardar os seguintes! Bjooos.

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com