História MaGGnífica - Maria Ponzetta

escrito por Marina Sena


Segunda-feira o portal Yahoo! Brasil Mulher publicou uma matéria sobre a dona de casa Maria Ponzetta, dona de casa que perdeu 76 quilos sem remédio nem cirurgia.
Veja a matéria:

"Dona de casa perdeu 76 quilos sem remédio nem cirurgia
Por Bárbara Nascimento

Maria perdeu 76 kg com reeducação alimentar e atividade física. (Fotos: Arquivo Pessoal / Viridiana Brandão)


Quem olha a fotomontagem acima não acredita que as duas mulheres são a mesma pessoa. Nem mesmo a dona de casa Maria Ponzetta (1,76 m de altura), 45 anos, se reconhece nas fotos antigas, quando ela chegou a 145 kg. Hoje, com 69 kg, ela comemora não só a vitória em relação à balança, mas também as conquistas que essa mudança proporcionou na vida dela. Maria não recorreu a nenhum tipo de cirurgia nem remédios. Ela garante que reeducação alimentar, prática de atividade física e bom senso são o casamento perfeito para o emagrecimento saudável. 

Mas foi preciso chegar ao fundo do poço para que a dona do blog Emagrecer é Possível criasse coragem para iniciar essa árdua luta. Diagnosticada com lúpus eritematoso sistêmico, uma doença inflamatória autoimune que pode ser fatal e é complicada com a obesidade, Maria ainda recebeu a notícia de que o marido havia sido demitido após 22 anos de emprego. 

“Eu vivia no hospital, perdi o rim esquerdo e 5 centímetros do pulmão. Além disso, meu marido ficou desempregado e meus filhos sofriam muito preconceito por ter uma mãe gorda. Depois que emagreci, nunca mais tive atividade lúpica e ainda devolvi a confiança à minha família”, conta. “Antes do pacote trágico, eu estava decidida a ficar gorda, mas foi uma questão de sobrevivência. Senti que se eu fizesse algo importante por mim resgataria todos os outros”.

A gota d’água, segundo Maria Ponzetta, foi o dia em que ela ficou presa em uma cadeira, na sala de espera de um consultório médico. “Nesse dia, eu prometi a mim mesma que iria mudar. Não contei nada para ninguém, até porque todo mundo já tinha desacreditado de mim. Diziam que era só eu ver uma fatia de torta que a dieta acabaria”, lembra. 

Maria antes do emagrecimento. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Não foram poucas as situações constrangedoras que ela viveu. “Uma vendedora me barrou na entrada da loja, alegando que não tinha roupa para meu tamanho. Viajar de avião era um tormento porque a bandeja de refeição não descia completamente. Isso sem contar que eu era uma pessoa triste, fazia palhaçadas e virava uma personagem para mascarar essa infelicidade”, confessa.

Mudança de hábitos
Perder 76 quilos em quatro anos, sem ajuda de remédios ou cirurgia, não foi fácil. A primeira providência foi ir ao supermercado comprar comidas saudáveis, desde carnes magras até vegetais e legumes. “Diminuí os carboidratos [consumia apenas os de qualidade, como arroz integral, frutas e leguminosas], comia lanchinhos nos intervalos das refeições, fazia sopa com carnes magras, gelatina e consumia frutas com bastante água, como melancia e melão”, diz. “No início, emagreci bastante. Mas quando vi que dava uma pausa da redução de peso, eu modificava a estratégia para acelerar o metabolismo”, completa. 

Matricular-se na aula de natação foi outro passo importante. Depois de dois anos, Maria combinou a atividade aquática com caminhada, depois incluiu a musculação ao seu dia a dia e há pouco tempo começou a fazer corridas leves. “O mais importante é confiar no bom senso, nunca acreditei em milagres. Temos que nos contentar em fazer a coisa certa hoje, daí a balança é só um detalhe”, aconselha.

Hoje, Maria está satisfeita com seu peso: 69 kg. (Foto: Viridiana Brandão)

Autocontrole
Há dez anos Maria não se permite comer qualquer tipo de sobremesa. Ela é compulsiva por doces e sabe muito bem qual os resultados de uma panela de brigadeiro ou uma fatia grande de bolo de chocolate. “Não posso me dar a chance de comer algo pelo qual não tenho controle. Hoje em dia, posso ficar numa festa sem comer doces sem problema algum, só não devo comer o primeiro brigadeiro porque aí, se bobear, viro um monstro”, admite.
Para Ponzetta, o importante é o autoconhecimento. “O que o paladar não sente, a memória gustativa não pede”.

O casamento
Maria sempre gostou de comer, mas mantinha a linha para arrumar um noivo e casar. “Nossa primeira providência na noite de núpcias, antes mesmo do sexo, foi ir ao supermercado e encher o carrinho de guloseimas. Meu marido nunca reclamou do meu peso, sempre foi maravilhoso comigo, mas é evidente que nossa relação melhorou muito. Posso dizer que sou uma atleta agora, se é que vocês me entendem”, brinca, ao falar sobre os benefícios que o emagrecimento trouxe para sua vida sexual.
A vaidade também aumentou e isso ajudou bastante o casal. “Fico horas escolhendo uma roupa, fazendo maquiagem, arrumando o cabelo. Gosto daquilo que fiz por mim mesma, tenho muito orgulho disso”."


O que acharam da história da Maria? 
Se você também quer contar sua história, escreva para maggnificas@gmail.com


Um comentário:

  1. Que fantástica!
    Mais um exemplo a se seguir!
    Com força irei alcançar meus objetivos, assim como a Maria o/
    Parabéns :D

    ResponderExcluir


Somos Marcella Rosa e Marina Sena, parceiras no blog, na luta e na vontade de mudar - nem que seja um pouquinho - o mundo. O Maggníficas é um pouco de nós, porque aqui tem moda democrática, empoderamento feminino e amor próprio. Nosso foco é a sororidade e a vivência plena de todos os corpos, porque acreditamos que somos todas maggníficas e que todo mundo pode tudo!

maggnificas@gmail.com