Como todo mundo sabe, nesse final de semana rolou o Fashion Weekend Plus Size, e eu, a Marina e Alinne conferimos de perto esse evento - que foi muito legal.
Mas esse texto não é sobre o evento. É sobre o mundo.

O evento teve tanta mulher maravilhosa - e não só porque eram modelos, mas porque toda mulher é muito maravilhosa - e eu fique totalmente apaixonada. Eu me sentia nas nuvens vendo aquilo. Deslumbre à parte, é claro que quem curte o evento curte também ver a repercussão e é sensacional que portais de grande divulgação, como o R7, também tenham escrito sobre o FWPS.

Acontece que, a partir do momento em que alguém toma para si a posição de 'fora do padrão', esse alguém deve também lidar com alteridade. E é isso que eu vi nesse evento: mulheres gordas, gordinhas, altas, baixinhas, negras, brancas, ruivas, loiras, morenas, trans, cis, héteros, homo, bis...e tudo muito bonito. O evento não era só para falar de tamanho de corpo, mas para falar de aceitação e beleza, de qualquer maneira. E vem o R7 com essas legendas:




"Essa não é plus size, né?" Não? Será? Vamos mesmo, num universo de minorias, marcar um IMC correto para uma modelo ser plus? Não é o suficiente que ela esteja desfilando sem ser anoréxica, branca e de olhos claros? Pense na sociedade escravocrata, misógina e violenta que você vive, senhor editor da R7 e me diga: essa mulher, com 24 anos,  ser a imagem de uma grife de moda não te parece 'fugir do padrão'?

A Dayana Toledo é uma mulher linda, representativa e maravilhosa.

Sabe o que significa plus pra mim? Mais. E sabe o que é ser 'mais'? É sair de perto de tudo que for estipulado, violentamente, por rótulos. Se está dividido em caixinhas, eu não quero saber.
Porque todo mundo pode tudo. A moda é democrática!



Por muito tempo, sofri porque nada que é 'jeans de verdade' dava certo em mim. A proporção entre meu quadril e minha cintura exigiam que tudo que eu comprasse tivesse elastano. Um belo dia dessa semana, cansei dessa vida, comprei uma bermuda jeans da Lunender que passasse na minha cintura e amarrei o cinto no último. Ficou largo? Ficou. Sobrou na cintura? Sobrou. Mas eu tava felizona de 'jeans de verdade'.


Além do 'jeans de verdade' ser mais legal porque marca menos, ele fica estonado de uma maneira mais sincera, o que eu acho que contrasta lindamente com a blusa tão fofinha de unicórnios. O sapato vermelho é para garantir que haja vermelho em minha vida, porque é condição necessária para mim.




Misturei anéis bem pesadinhos também, em tons de prata, porque a blusa já vem com a gola em prata não 'aceita' bem colar. Até ficaria desconfortável.


De tardinha deu uma esfriada, e coloquei um blazer cru/gelo/nude que fica lindo com tudo e tá maravilhoso.

 


Como estava caminhando, até desdobrei o shortinho para ficar mais confortável. E eu achei que continuou lindo.

Para quem quer fazer parecido, tem esse short aqui
Blusinha da coleção antiga, mas a Antix é um antro de fofura, clica aqui
Bijuterias maravilhosas da Orfphen você pode conferir na Fan Page deles.
O sapatinho é Usaflex e o casaco eu tirei a etiqueta há anos. Ops!
(ah, é..Quase esqueci: o batom é o diva, da MAC)

E vocês, gostaram? São chegadas em um 'jeans de verdade' ou preferem com elastano? Conta pra mim aqui, na Fan Page, no Twitter ou no Instagram!

Beijos vermelhos,

Marcella Rosa.


26 de jul de 2015

Desafio dos 50 looks: 1 e 2



Oi gente!

Como vocês sabem eu passei do manequim 54 pro 40 no último ano. Isso significou perder todo o meu guarda roupa e claro, não tem bolso que aguente refazer tudo em pouco tempo. Então eu tenho comprado poucas peças em fast fashions, uma ou outra coisa diferente pra dar aquela levantada no ânimo e tenho usado muita coisa que veio do armário de amigas, irmã e primas. 

Desde que eu me tornei mãe, meus hábitos de consumo mudaram demais. atualmente eu fico muito incomodada com peças paradas no guarda-roupa e tendo a fazer compras mais planejadas. Mas, por outro lado, nunca gostei de peças caras no meu guarda roupa. Compro muito em promoções e acho bes interessante inventar jeitos novos de usar as mesmas roupas. 

Isso dito, eu estava esses dias choramingando que estou sem roupa, que estou sempre vestindo a mesma coisa e parei pra pensar que na verdade, não é assim. Então resolvi me propor um desafio: eu montarei 50 looks diferentes só com as peças que já estão no meu guarda-roupa. Isso vai me forçar a ser mais criativa e sair da mesmice. E toda semana vou postar aqui pra quem sabe, inspirar vocês a verem suas roupas de outra forma. As fotos não serão as melhores, mas nesse caso, o que importa são as combinações!

Talvez eu leve mais do que 50 dias, afinal, é inevitável repetir alguma coisa. Mas a intenção é acabar em menos de três meses. Então vamos conferir alguns do que usei nessa semana!

Look 1: Foi o meu preferido. Juntei uma calça pijama do verão passado e uma regata e coloquei a camisa jeans e uma sapatilha de bico fino super antiga pra deixar mais invernal. Combinei com o colar curto pra não me atrapalhar muito na rotina de trabalho e mãe. 

 




Calça: Riachuelo (ainda tem ela AQUI) | Regata: C&A (tem AQUI) | Camisa Jeans: Sawary (tem parecido AQUI)| Sapatilhas: Via Uno (tem parecida AQUI) | Colar: Armário da minha mãe (tem parecido AQUI)

Look 2: Uma calça flare e uma bata de mangas flare estampada e pronto! Complementei com mocassins (viu como fica bom flare com sapato baixo?) e ficou bem confortável.





Calça Jeans: Banana Republic (tem parecida AQUI)| Bata: La Qualité (tem similar AQUI) | Mocassim: da minha mãe (tem parecido AQUI) 

Gostam desse tipo de postagem, com looks bem usáveis e fotos menos produzidas? Me contem aqui, na Fan Page, no Twitter ou no Instagram!

Beijo!

Carol





Conheci Letícia quando a gente tinha 7 anos. Na praça. Eu, criança gordinha, perdi várias vezes no pique-esconde para aquela magrelinha que corria...corria. Anos depois, estudamos na mesma escola, e, enquanto ela participava do atletismo, eu usava toda minha força no handball. Desde então, a gente nunca mais se separou. Ela desenhava, eu escrevia. Sempre assim: nos trabalhos de geografia ela fazia o mapa; nos de português, eu fazia o conto. Nunca tivemos uma amizade de cobranças: sempre foi leve. Ela tinha a melhor amiga dela e eu a minha, mas éramos amigas assim: ‘tô acompanhando sua vida, você a minha’.

Nessa foto, eu e a Lê aos 13/14 anos

E a gente nunca exigiu nada uma da outra além do sorriso. Nas tardes de verão, íamos nadar e ouvir ‘Gabriel, o pensador’. Nas noites de setembro, comer massas na festa da praça. E conforme crescíamos, crescia o talento da Letícia. Desde o colégio, ela sempre soube que desenhar era a sua. Enquanto a nerd aqui anotava loucamente a matéria, eu olhava pro lado e estava lá a Letícia, rabiscando com o que tivesse em mãos, a apostila, a carteira, os braços (os meus braços e pernas). Para ela, tudo é papel. Para mim, tudo nela é muito bonito.
 Aos 16 anos, sofrimento adolescente
Numa viagem à Ubatuba, a Letícia ficou entendiada e pintou a gente.
Eu adorava inventar histórias malucas, de vampiros, de dilúvios, de momentos pós-apocalípticos, de romances sanguinolentos. E a Letícia desenhava as minhas histórias. Ela me levou a sério, sempre. Eu sabia que ela era a pessoa mais talentosa que eu já tinha conhecido. A vida adulta chegou, e a Letícia não deixou por menos: foi pra Sampa e fez o sonho dela acontecer. Mulher forte, encarou, saída do interior, a cidade grande. E fez faculdade. E fez curso. E fez sucesso. Os desenhos no sulfite foram para os muros, para as roupas. A arte da Letícia saiu de Batatais e foi conhecer outros olhos, que não os meus.
uma das primeiras caricaturas que a Lê fez de mim, 
lá pelos idos de 2004.

Uma vez a Letícia me disse que o nome dela significava ALEGRIA. Que dúvida? Se um dia eu fizer um livro, queria que ela o ilustrasse, como fez com a minha infância. 


mais de uma década de amizade depois



Letícia Anguito é formada em Design Gráfico pela Belas Artes, em São Paulo; fez MBA em Gestão de Marcas. Assina seus trabalhos com a marca Let&Cia. Hoje, é designer de estampas da Carmen Steffens. Seus focos de interesse são: design, estamparia, pintura de interiores e arte urbana.
  Grafite feito para o evento feminista "Ferro na Boneca"


Letícia criando estampas, aqui com canetão e aquarela



Mulheres MaGGníficas é uma coluna dedicada a apresentar mulheres, anônimas ou não, que representam de maneira exemplar o gênero feminino: mostrando seu talento, sua força  e inspirando empoderamento em todas nós.


24 de jul de 2015

Inverno Colorido


O arco-íris ambulante chegou ♥ oi, pessoal!

Cores são comigo mesma! Percebi que tenho usado cada vez mais cores na minha rotina. Às vezes misturo estampas também, gosto de tudo isso: de experimentar, de ousar, de tentar algo novo (e recomendo isso para todo mundo)!

Essa calça já apareceu por aqui, mas eu sempre gosto de mostrar como peças coloridas e que não estamos acostumadas a usar sempre podem ser versáteis! A cor dessa calça é demais, não acham? E o detalhe na lateral em zíper eu nem preciso dizer nada... A calça é de crepe, é super confortável e amo a cintura alta assim! 

A blusa já apareceu aqui há um tempo também, e na verdade eu dobrei para dentro e usei como cropped. Amo o franzido nas mangas! E cropped + linhas horizontais = amor, né gente?

Para não ser diferente, o blazer e a sandália já apareceram nesse post aqui. O blazer é lindo, eu adoro as ombreiras, a cor, o comprimento da manga, o detalhe do forro... Ele é perfeito para os dias de inverno que não são tão frios e permitem deixar um pouco dos braços de fora! 





Blazer: Elegance (cadastre-se aqui para saber onde é a loja revendedora mais próxima de você) | Blusa: C&A (similar aqui) | Calça: Julia Plus (tem AQUI) | Sandália: Prego (similar aqui) | Anel rosa e pulseira de botões: Pinches Vintage (similar aqui) | Brinco: Arf | Demais aneis: Acervo


Vocês gostam desse colorido todo tanto quanto eu?
Me contem aqui, na Fan Page, no Twitter ou no Instagram!
Beijo beijo e bom final de semana!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...