Em casa, na rua, na escola, no trabalho. O tempo todo, no mundo todo, mulheres são vítimas de assédio, seja ele físico, verbal, oral, ou moral. Por ser uma experiência que praticamente todas nós já tivemos o desprazer de experimentar, escolhi para ser o tema do meu terceiro texto aqui.
 
E você? Já sofreu algum tipo de assédio? Imagino que sim. Infelizmente, isso passou a ser parte do cotidiano das mulheres. Já aconteceu comigo, com todas as minhas amigas, com a minha mãe, com as minhas tias e provavelmente com todas as moças que eu conheço. Com a ajuda de um formulário, e de muitas moças com boa vontade, eu reuni diversas informações sobre o assunto.
 
Sempre que pensamos em assédio, vem imediatamente a imagem de um desconhecido nas nossas cabeças. Mas nem sempre é assim. Ele pode estar frequentando a sua casa, ou dividindo o mesmo sobrenome que você. Acontece mais vezes do que imaginamos, infelizmente. Como conta Catarina*sobre seu primo se achou no direito de masturbar em sua frente assim que viu uma oportunidade, ao procurar um livro em sua casa. Ou, como me disse Carla*, que abriu o portão á noite para seu tio — que estava muito bêbado — entrar em casa, e acabou tendo o caminho de 20 metros entre o portão e porta o mais longo de sua vida, porque durante esse caminho, ele resolveu se esfregar nos seios dela, que na época, tinha a minha idade, 14 anos.
 
Como 76% das meninas, Catarina* não procurou ajuda, afinal, 45,5% que procuram, têm os motivos pelos quais aquele assédio aconteceu questionado. “Mas aquele shortinho, provocou o cara.”, “Com esse batom vermelho, tá pedindo mesmo!”. Desse jeito fica bem difícil, né? Maria* sabe muito bem disso. É assediada pelo tio desde os 12 anos, foge dele até hoje e jamais fica sozinha em casa. Mas mesmo assim, a culpa é toda dela, segundo sua mãe. Sem contar que sempre haverá seres indesejados comentando que algumas de nós precisamos dizer que graças a Deus, um homem te notou, como se um assédio fosse algum tipo de privilégio. “Afinal, somos tão feias, não é mesmo? Quem nos assediaria? A melhor coisa que poderia acontecer comigo, seria alguém tocando em meu corpo, sem a minha permissão, por que se não fosse por isso, ficaríamos todas velhas, solteiras, e cheias de gatos, e isso é tão horrível, não é mesmo?” Por isso também que as moças não pedem ajuda. Casos desse tipo, aconteceram muito na época do #MeuPrimeiroAssédio, e eu gostaria de aproveitar para dizer a vocês que “ficar pra titia” não tem nada de feio não. Feio mesmo, é dizer que alguém precisa agradecer por ser assediada só porque você acha tal pessoa “feia e peluda”,como já vi muito por aí.
 
Outra coisa que imaginamos também, é que os assédios mais banais, acontecem na escuridão das madrugadas. Mas não. 84% ocorrem em todos os horários do dia, como com Vanessa* que saiu à tarde para as compras e acabou com hematomas no braço, e só saiu “a salvo” porque pediu piedade ao seu assediador. 
 
Assustador, não é mesmo? É mais ainda quando soubemos que pra assédio, não tem idade. Eu recebi relatos de moças entre 13 e 41 anos (inclusive, preciso chamar a atenção pela falta de mulheres mais velhas no feminismo), mas uma delas me contou que, aos cinco anos, acompanhada de amigas mais velhas á caminho do mercado, um garoto levantou suas saias, o que a deixou assustada e sem reação.
 
Assédios também costumam vir de maneiras sutis, como aquele beijo pegajoso na bochecha que por um estranho motivo, foi parar no seu pescoço. Esses, a gente até pensa que foi coisa na nossa cabeça, pura invenção. Mas eu te digo que não foi. Se tiver alguma coisa te incomodando, pode ter certeza de que há alguma coisa errada.
 
A todas as manas que me enviaram os seus relatos, eu deixo um grande beijo. Vocês são muito corajosas. Eu não citei todos, mas li um por um, e desejo á todas vocês, muita força. Vocês fizeram isso aqui acontecer. Obrigada!
 
*Todos os nomes utilizados são pseudônimos

 
 
Meu nome é Mariana de Andrade Fernandes, tenho 14 anos e moro na cidade de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, MG. Sou feminista, e adoro escrever sobre temas que abrangem este assunto. Sou vegetariana, e sonho em futuramente ser bióloga marinha.
 
 
Você tem menos de 18 anos? Tem vontade de escrever sobre o universo feminino? Se identifica com o Maggníficas? Então vem escrever no Maggnifiquinhas! Um espaço no bloguinho feito pra você! Mande seu texto, foto e mini bio para maggnificas@gmail.com ou nos dê um oi por lá que a gente retorna contando tudinho!
 
Esse é um espaço para dar voz a meninas jovens. Não necessariamente é a opinião das blogueiras. O empoderamento também passa pela possibilidade de diálogo.







Oi, pessoal!

No último dia 14 aconteceu um evento incrível aqui em São Paulo e eu vim contar tudinho sobre ele: o lançamento da nova e primeira linha de calças plus size da Levi's!

Vocês com certeza acompanharam alguma coisa pelas redes sociais, já que esse evento foi o maior que eu já vi em termos de reunir mulheres inspiradoras e formadoras de opinião do segmento! Foi demais mesmo! Reencontrei muita gente querida, matei um pouquinho da saudade da Alinne e pude conhecer pessoalmente quem eu só apreciava virtualmente!

Com a Alinne <3

Conheci as lindíssimas do Tamanho P e reencontrei a Mari <3

Só gente linda (do Instagram do Curvilíneos)

Mais um pouquinho (do Fatshion)

Tinha TANTA gente maravilhosa que não tá todo mundo na foto!

E então, no último dia 14, aconteceu essa festa maravilhosa de lançamento da nova coleção Levi's de calças plus size, na Casa Levi's. Teve muita conversa, música, comidinhas, drinks e risadas, além de apresentação de dança, várias calças para experimentarmos e uma conversa com o stylist da marca, que nos contou tudo sobre o que essa linha tem de incrível para nós!




Essa linha foi extremamente pensada para nós e nossos diferentes tipos de corpos, já que todas as que estavam presentes experimentaram peças e saíram com uma calça feliz da vida!

Agora vamos ao que realmente importa: o que a calça plus size Levi's tem de especial?


Primeiro, preciso dizer que em 2010 surgiu a linha Curve ID, que vestia mulheres de mesma numeração, mas com diferentes tipos de curvas. A gerente de Marketing da Levi's Brasil, Marina Kadooka, conta que foi uma das maiores revoluções em termos de jeans femininos! E alguém duvida? Foi feita uma pesquisa e análise com 60 mil mulheres em todo o mundo, para perceber as diferenças nos corpos, resolvendo problemas causados por uma calça que não se adequava à determinado tipo de corpo.
 
Agora a marca lança a linha Big & Tall, para homens e mulheres grandes. De acordo com release da marca, os homens ganham os modelos 501 (cintura intermediária, fechamento com botões e 100% algodão) e 505 (cintura intermediária, fechamento com zíper, perna reta e 100% algodão), com numeração que vai do 52 ao 70.
 
O jeans Levi's é bem macio e gostoso, daqueles que se adaptam perfeitamente ao nosso corpo, e a linha plus size foi feita especialmente pensada para nossas curvas! 
 
E a calça feminina plus size tem várias especificidades, como os bolsos: os traseiros foram remodelados, ficando mais centralizados, dando a ilusão de que o quadril não é tão largo e deixando o bumbum mais empinado; os bolsos frontais são todinhos costurados, da lateral até o zíper (diferente das calças tradicionais onde o forro é solto), proporcionando maior segurança e sustentação ao cós, já que ficam com mais firmeza com essa leve compressão.
 

Os tamanhos são os mesmos que vendem lá fora, do 16 ao 24, o que corresponde aqui do 44 ao 52, mas a modelagem é grande e veste até o 56, mais ou menos. Eu visto 46 e o meu tamanho é o 16, e minha calça ficou com a cintura no umbigo, portanto uma cintura média, perfeita para mim <3
 
"Um dos maiores orgulhos da Levi's é ser uma marca totalmente inclusiva, democrática, livre de qualquer tipo de preconceito. Sempre foi assim. Essa sempre foi a vontade de Levi Strauss e seu desejo de ver qualquer pessoa usando seus jeans mantem-se vivo até hoje", conta Marina Kadooka.



As lavagens também possuem pontos de luz em locais previamente pensados, sendo mais clara na região central e mais escura nas extremidades. A coleção plus size da Levi's têm três modelos de calças: 311 (skinny), 314 (reta) e 315 (bootcut). Muito bacana, né?! Ah, estão disponíveis para venda os modelos 311 e 314; a bootcut chega aqui no segundo semestre, junto com ideias para outras peças jeans plus size! 

A linha está à venda online com exclusividade na Best Size (clica AQUI), e em lojas físicas multimarcas espalhadas em todo o país (e não nas lojas próprias da Levi's). Vejam a relação de todas as lojas AQUI (e essa listinha só vai aumentando!). 

O evento foi totalmente impecável, me senti honrada em fazer parte disso, por poder acompanhar esse processo e poder espalhar essa notícia! A Levi's está fazendo um trabalho lindo para nós e merece todos os parabéns! Por mais marcas assim, que façam coleções democráticas e que atendam o maior número possível de manequins o/

Para finalizar, quero mostrar o vestido lindo que usei nesse dia:

O vestido é Elegance Plus Size e já fiz post contando sobre ele AQUI; o cinto é acervo e a botinha é Marisa.


Sobre a Levi’s®

A marca Levi’s® simboliza o estilo clássico americano e cool sem esforço. Desde sua invenção por Levi Strauss & Co., em 1873, o jeans Levi’s® se tornou um dos mais reconhecíveis vestuários de todo o mundo – capturando a imaginação e a lealdade das pessoas por gerações. Hoje, o  portfólio de marca continua a evoluir por meio de um implacável pioneirismo e espírito inovador que é incomparável na indústria de vestuário. A nossa gama de jeanswear e acessórios está disponível em mais de 110 países, permitindo que as pessoas ao redor do mundo possam expressar seu estilo pessoal. Para obter mais informações sobre a marca Levi’s®, seus produtos e lojas, visite levi.com.br 

 
E aí, me contem o que vocês acharam? De tudo? Gostaram da novidade tanto quanto eu?
Me contem aqui nos comentários, no nosso Instagram (@maggnificas) ou na nossa Fan Page!

Fotos: acervo, divulgação e blogs mencionados

Beijo beijo!







Oi, Maggníficas.

Eu sou uma apaixonada-viciada-maluca das bolinhas. Adoro em tudo: roupa, meia, acessórios, objetos de decoração. Tu-do! Hoje trouxe um look que não tem pouca bolinha não. E eu adoro misturar bolinha com bolinha.

 O vestido, em si, já tem dois padrões de bolinha, um que fica ao longo de todo ele, maior; e outro que fica nas fendas, de padrão menor.

 A isso juntei meu óculos de bolinha novo, um colar e um brinco vermelho para contrastar com o azul e dar uma cara navy - que eu adoro.


Minha querida bolsa Paula Ribeiro de corujas e tcharã: look perfeito.


 E vocês, gostaram?


Se sim, conta para mim!

O vestido é da P.A Concept
O Sapato é da  Uncle K
O óculos é da Le Specs, comprei em ótica, ainda não achei na internet.
Colar é artesanal, quem faz é a mãe de um amiga. Em crochê e miçangas.
E a bolsa é Paula Ribeiro Bolsas

O look não é plubi, foi comprado com meu ryco dinheirinho.

Espero seu comentário aqui, no insta (@maggnificas) ou na nossa Fan Page.









Genteeee! 

Demorei mas vim contar sobre o evento de lançamento da coleção da Dama de Seda! O evento aconteceu há algumas semanas, foi maravilhoso, e quem acompanha nosso Instagram e meu Snapchat viu por lá em tempo real! Segue a gente: @maggnificas no Insta e @sena_marina no Snap!

Marcella e eu já havíamos nos apaixonado por algumas peças quando assistimos o desfile no último Fashion Weekend Plus Size, inclusive mostramos algumas fotos AQUI e dá para assistir o desfile completo no vídeo abaixo:

             

Fiquei feliz demais com o convite e fui prestigiar na A2 Lingerie o lançamento da coleção #Lovemyself da Dama de Seda, marca mineira que confecciona somente lingeries plus size, atendendo do manequim 46 ao 56! Eu ainda não tinha visto as peças tão de pertinho, e elas são mesmo incríveis!




Posso dizer o quanto amei o nome dessa coleção? Love myself tem tudo a ver com o que acreditamos, com o que queremos espalhar com o Maggníficas: amor próprio, empoderamento feminino! E isso é muito bacana vindo também de uma coleção de lingeries plus size, que diz tanto sobre autoestima, sensualidade, poder feminino - e eu nem digo sobre mostrar à outra pessoa não, porque uma lingerie que nos valoriza, que cabe e que tem detalhes pensados para nós, faz toda diferença para nós mesmas!

Adorei as cores, modelos, acabamentos e a qualidade: a modelagem é bem fiel ao manequim que usamos, e ele se adapta perfeitamente ao nosso corpo. Eu tenho busto pequeno e uma das minhas maiores dificuldades em encontrar uma lingerie perfeita é a adaptação ao tamanho do meu peito e costas de um jeito confortável que não me aperte, e que ao mesmo tempo não fique sobrando espaço no busto... Sem contar que é bem difícil encontrar novidades em lingeries para nossos tamanhos, que geralmente são bem básicas, sem diversidade de cores, detalhes, ousadia e modelos diversificados. E então fui surpreendida! As peças que provei da Dama de Seda ficaram perfeitas em mim!

E tem de tudo na Dama de Seda: camisola, calcinha alta, baixa, fio duplo, hot pants e tangas altas e baixas; sutiã com base e sem, nadador, top e corpete, além da sensação que é o strappy bra (que são aqueles sutiãs com tiras, que usamos mostrando, em conjunto com a blusa/vestido) - o strappy bra da Dama de Seda tem detalhes e ainda são removíveis! Não é demais? Na coleção toda têm muita renda, pedrarias, guipure, aros e argolas banhados a ouro e tecidos de qualidade: revolução na moda íntima plus size minha gente o/  



Roubei do meu snap

Encontrei as blogueiras Ju Romano, Mari Lima, Glenda Cardoso, Natália Nascimento e Fabi Traven, é sempre tão gostoso reunir gente querida! Nós conversamos, rimos, colocamos o papo em dia, além de comer coisas gostosas!

Eu, Natália, Ju e Mari

 De novo

Roubei do snap (2)

Com a Fabi

Só coisa boa e deliciosa



Com a Simone Rolnik, proprietária da marca

Nós pudemos experimentar algumas peças Dama de Seda e comprovar o conforto e beleza dessas peças em nossos corpitchos <3 Adoramos e experimentamos váááárias, aqui vão duas das que provei:

 É tipo MUITA lindeza

Sutiã com bojo em microfibra com aplicação de renda, detalhes em preto e em passa-fita, além das laterais serem com tecido duplo e reforçado. Esse conjunto todo veio morar comigo 

Eu ameeeei essa coleção, é bem bacana ver de pertinho e poder compartilhar isso com vocês! A Dama de Seda é uma marca preocupada em nos atender de verdade; ouviu todas as nossas dificuldades em encontrar a lingerie perfeita, e com essa coleção só nos mostra todo o comprometimento, carinho e preocupação que tem com a gente, sério! Aqui temos beleza, conforto e sensualidade, tudo na mesma peça, peça essa que cabe em nós! #todascomemora 

E sobre o look liiiindo que usei no dia do evento (já falei tudo sobre ele, AQUI):



Blusa e saia Three Seven, botinha Marisa

O evento foi incrííível e ainda levamos para casa uma sacolinha do amor, com quatro brigadeiros artesanais deliciosos da Phina Dona (Mari fez a gentileza de me mandar a foto de registro, porque eu acabei com meus brigadeiros tão rápido que não fotografei nada #soudessas):


Para babar em todas as peças Dama de Seda tanto quanto eu, clique AQUI e veja a coleção completa!

O endereço base da marca é em Minas Gerais, mas as peças estão disponíveis também virtualmente, nas lojas: Flaminga, Divas, A Rosa Visane, como também na loja virtual da Dama de Seda. Clica em cima para ser redirecionado para o link! 

Quem estiver em São Paulo, indico demais a visita na loja onde o evento foi realizado, que possui peças da Dama de Seda. A loja é a A2 Lingeries, que fica na Rua Pamplona, 1160, Jd. Paulista. O telefone é (11) 3052-0304/0055.

Estão todas iguais a mim querendo todas as peças??? Me contem tudo! Pode ser aqui, no Face ou lá no Insta (@maggnificas)!

Beijo beijo!







Não só no Brasil, como também no mundo, a onda de mulheres em busca de empoderamento, que visa a igualdade de gêneros, vem aumentando. Um dos motivos dessa onda feminista, no Brasil, é pelo fim da tolerância da sociedade brasileira à violência sexual contra as mulheres, a qual ocorre pela objetificação dela.

A sociedade brasileira, desde o período Brasil colônia, possui uma estrutura patriarcal, na qual o homem é enaltecido, participando de guerras e fazendo os trabalhos mais pesados, e a mulher tem como finalidade satisfazê-lo e cuidar dos afazeres domésticos, pois por possuir o poder de gerar vida, foi imposto que ela não deve praticar nenhuma atividade que pode machucá-la, sem ao menos o aval de que esse era o desejo dela.

Tornar a mulher um objeto de prazer do homem é uma atividade da mídia atual, onde as propagandas de cerveja ganham destaque por sempre possuírem uma mulher seminua, sensual e com um corpo malhado que serve um homem no bar, dando, indiretamente, a mesma ideia de objetificação, e da consequente submissão dela, presentes desde 1530 no Brasil.

A tolerância da sociedade brasileira à violência sexual contra a mulher está presente nos dias atuais porque o esteriótipo de que toda mulher não possui nenhuma utilidade além de ser o objeto de prazer da população masculina, sendo inferiorizada e submissa, ainda não foi destruído, o que gera, nos homens, a falsa ideia de poder fazer o que quiser com a população feminina sem ao menos serem dignos de uma punição.


Meu nome é Larissa Salviatti, tenho 15 anos, sou estudante e moro na cidade de Limeira, região do interior de SP. Sou feminista e adoro escrever sobre feminismo, por acreditar que ele é muito necessário atualmente. Sonho em ser uma futura médica.


Você tem menos de 18 anos? Tem vontade de escrever sobre o universo feminino? Se identifica com o Maggníficas? Então vem escrever no Maggnifiquinhas! Um espaço no bloguinho feito pra você! Mande seu texto, foto e mini bio para maggnificas@gmail.com ou nos dê um oi por lá que a gente retorna contando tudinho!

Esse é um espaço para dar voz a meninas jovens. Não necessariamente é a opinião das blogueiras. O empoderamento também passa pela possibilidade de diálogo.







Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...